O Presente ano letivo 2018/2019 vai ser salvo, diz Ministro de Educação Nacional .

ESPAÇO PUBLICITÁRIO 1

O Presente ano letivo 2018/2019 vai ser salvo, diz Ministro de Educação Nacional .

Ministro da Educação Nacional, Camilo Simões Pereira, garantiu esta terça-feira numa conferência de imprensa que fará tudo para salvar o ano letivo 2018/2019 nas escolas públicas do país, com hipótese da requisição civil se for necessário.

 

Explicou que o Ministério que dirige jamais recusou resolver os problemas dos professores e que apenas não pode o fazer da forma como os sindicatos querem, devido as capacidades limitadas do atual governo, disse.

 

 

“No que concerne as dívidas em atraso com os professores contratados e de novos ingressos que é um dos pontos fortes da revindicação dos sindicatos do sector educativo, prometemos que vamos pagar essa divida paulatinamente ou seja quando um mês termina vamos pagá-lo e um em atraso mas  os sindicatos recusaram essa proposta”, explicou o ministro da Educação.

 

Acrescentou que, sobre o Estatuto de Carreira Docente, foi aprovado na Assembleia Nacional Popular e que só não foi promulgado pelo Presidente da República devido a um erro que o seu assessor jurídico detetou no documento e que obrigou o seu retorno à ANP para efeitos de correção, sublinhando que se esses pormenores forem resolvidos o Presidente da República irá aprová-lo ainda esta semana.

 

Camilo Simões Pereira afirmou que são os sindicatos que estão a dificultar o início das aulas no país e que o Ministério da Educação não vai ficar de braços cruzados, uma vez que a situação  bloqueia a própria instituição.

 

Aquele responsável garantiu que vão desbloquear o salário do mês de Novembro e que se no caso os professores não começarem as aulas, o governo não vai  pagar o mês de dezembro.

 

O ministro apela aos professores no sentido de retomarem as aulas no prazo de cinco dias para  salvar o ano letivo e  garantir o futuro dos estudante

Camilo Simões Pereira manifestou a possibilidade de dialogar com os sindicatos sempre que necessário na busca de uma solução permanente para o sector educativo.

 

 

 

 

 

Rádio Nossa 18.12.18

Noémia Gomes da Silva

ESPAÇO PUBLICITÁRIO 2