POLÍCIA JUDICIÁRIA DA GUINÉ-BISSAU LANÇA “OPERAÇÃO TEMPESTADE” PARA COMBATER A CORRUPÇÃO NA CÂMARA MUNICIPAL DE BISSAU

ESPAÇO PUBLICITÁRIO 1

23 de Janeiro 2018

POLÍCIA JUDICIÁRIA DA GUINÉ-BISSAU LANÇA “OPERAÇÃO TEMPESTADE” PARA COMBATER A CORRUPÇÃO NA CÂMARA MUNICIPAL DE BISSAU

A designada operação lançada no dia 3 de janeiro do ano em curso pela PJ visa identificar os cacifos existentes nos diferentes estabelecimentos comerciais da Cidade de Bissau, outrossim a operação tem por finalidade banir a venda ilegal dos terrenos um comportamento observável no País e visa sobretudo os funcionários da Câmara Municipal de Bissau.

Segundo a fonte contactada pela Rádio Nossa o objetivo principal da operação visa proporcionar maior controlo do erário público proveniente das cobranças nos mercados da Capital e também da venda do terreno, o facto que não acontece momentaneamente.

Com efeito controlar a receita da Câmara Municipal de Bissau constitui a missão principal da Operação Tempestade, disse!

A nossa fonte na Policia Judiciaria (PJ )  assegurou ainda que o recenseamento dos cacifos deve-se aos indícios de desvio de dinheiro por alguém não identificado, igualmente contou que autoridades camarária desconhecem o número exato de cacifos existentes no mercado de Bandim, razão pela qual leva acabo este processo de recenseamento em colaboração com a instituição visada.

Sobre o mesmo assunto a nossa avança que hipoteticamente existem cinco (5) mil cacifos no mercado de Bandim dividido em onze zonas de acordo com dados fornecidos pela Câmara Municipal de Bissau e desconhecem o número exato de cacifos existentes noutros mercados da Cidade de Bissau, informou ainda que as autoridades camarárias não estão em altura de informar o valor monetário pago por cada cacifo diariamente.

Luz desta significa que muitos dinheiros vão para alguns funcionários de câmara o facto que motivou a presença de agentes da polícia judiciária no recenseamento todos os dias no terreno para saber o montante que entra cada dia para câmara municipal de Bissau. E vamos permanecer durante duas ou três semanas devido falta de recurso humano que temos na PJ e vamos poder libertar o mercado de bandim com dados concretos de quantos cacifos e armazéns lá existentes afiançou a nossa fonte.

A nossa fonte informou ainda que a receita diária de mercado de Bandim estima-se entre 250 a 300 mil fcfa diário estranhou a fonte e acredita que com um controlo sério o valor pode duplicar-se e é nisso que estamos empenhados elevar a fasquia da receita diária do mercado de Bandim para 700 mil fcaf ao longo do processo de recenseamento constatamos que metade de valor vai para bolso alheio, salientou!

Situação mas gritante é no matadouro, que apresenta uma receita diária de 40 mil fcaf menos de 500 mil fcfa por mês contra a previsão mensal de Um Milhão e Meio.

Durante seis meses vamos terminar com operação tempestade, não só domínio financeiro mas também a venda de terreno por mais de duas pessoas. Existem muitos terrenos de domínio público vendidos, e privados vendidos duplicadamente, um só terreno é legalizado dois ou três vezes queremos acabar com esta situação.

E a PJ garante que há muitas na Câmara Municipal de Bissau que serão responsabilizadas pelas práticas de corrupção, estamos a fazer um levantamento com colaboração de população vitimadas neste sentido.

Nessa óptica todos os que estão na mesma situação de legalização duplicados podem nos procurar, não dissemos que isso vai acabar mas não vai ser frequente, temos informação que alguns políticos estão envolvidos nessa prática, mas antes de eles serem políticos são cidadãos e nenhum cidadão está acima da lei e vão ser responsabilizados segundo a nossa lei, porque aqui na PJ não temos compromisso com nenhum politico mas sim com o País.

Noémia Gomes da Silva  

Rádio Nossa

 

ESPAÇO PUBLICITÁRIO 2